Sobre | Link Building

Informações com qualidade sobre Link Building SEO

Afiliados Magazine

Sobre

Antes de mais nada, gostaria de agradecer ao ilustre “SEOgrandfather” Flávio Raimundo pelo convite para fazer parte deste projeto. Pode deixar que seu #FF (follow friday) está garantido ;)

Quando iniciamos nossa jornada pelo maravilhoso mundo da otimização de sites, não temos a real dimensão de todas as peças e particularidades das quais o mercado de search é composto. Não é raro encontrar pessoas que embasaram seus estudos iniciais em pessoas, artigos e livros que acreditavam disponibilizar informações de qualidade, e mais na frente perceberam que o conteúdo não tinha tanta credibilidade assim, ou mesmo não tinha qualquer relevância aquela altura do campeonato.

Nosso mercado é composto de um verdadeiro turbilhão de informações desencontradas e desconexas, relevantes e sem valor, todas misturadas no mesmo caldeirão chamado WEB. Cabe ao profissional de SEO ter o discernimento necessário separar cada fração de conteúdo, separando a informação do ruído e assim tirar o maior proveito da escola da web.

O profissional de search precisa ter um perfil que englobe várias características que não são tão fáceis de encontrar.

Ele precisa ser autodidata, não no sentido de aprender tudo literalmente sozinho, mas sim na vontade de incorporar novos conhecimentos por conta própria, sem a necessidade de um supervisor ou gerente ter de efetuar uma solicitação para que ele rompa inércia do saber. Tem de partir de dentro, de forma espontânea, a pessoa tem de gostar do que faz e querer de verdade estudar o assunto.

Precisa ter a capacidade de juntar pedaços de informações que por vezes pareçam desconexas, fazer testes e analisar seus resultados, tirando o melhor proveito das experiências obtidas nesse processo para aplicá-las em seu dia a dia.

Precisa compartilhar seu conhecimento. Quando compartilhamos o nosso saber, nós o colocamos a prova, disponível para críticas de pessoas com critérios de avaliação diferentes dos nossos. Na grande maioria das vezes, são essas críticas (construtivas ou não) que nos farão enxergar a questão por uma perspectiva diferente, aprimorando a experiência e enriquecendo o nosso próprio aprendizado.

E é nesse mar de informações desconexas que o site linkbuilding.com.br encontra seu espaço, somando forças aos outros sites que já disponibilizam material em português sobre link building de forma não dedicada. Nossa meta é disponibilizar um canal de informações de qualidade sobre Link Building para o mercado de search brasileiro, estimulando o debate e colocando as cabeças para pensar.

O aquecimento do mercado e a criação de novas oportunidades só dependem de nós! A disseminação de conhecimento de qualidade, leva a formação de mão de obra qualificada. Um mercado com profissionais preparados para converter investimento em lucro se aquece e abre porta para a comunidade como um todo. São nesses pilares que o linkbuilding.com.br firma sua base.

Um abraço!

Pablo Augusto
Março de 2011

 


 

Em 2005, eu estava conversando com alguns colegas SEOs sobre mulher, claro! Ops… sobre SEO, claro! E um deles me questionou por que eu não dava muito valor a link building. Bem, eu sempre dei o devido valor a link building e confesso que, em 2005, esse valor era algo próximo a zero. Na época expliquei que link building começaria a ser importante lá para 2012 e, quando esse tempo chegasse, eu começaria a dar o devido valor.

Confesso que minha “previsão” foi fruto apenas de sentimento e minha experiência, sem números que a pudessem embasar tecnicamente e, portanto, havia grandes chances se estar errada. Outra falha foi colocar todos os mercados no mesmo patamar, erro comum que muitos praticam ainda hoje.

Se separarmos a web brasileira por mercados, veremos que errei feio, já que, por exemplo, no mercado imobiliário, essa necessidade de link building como algo mais sistemático já vem ocorrendo desde 2007 ou até antes. Os segmentos de flores, presentes, turismo e eletrônicos também, entre alguns outros segmentos de mercado. Porém, em relação a outros mercados, talvez eu tenha errado mais uma vez; por exemplo, no mercado industrial em geral, a coisa vai lá pra 2015.

Quem viu a primeira versão desse site, deve se lembrar que fiz uma sátira com link building, mas meu sentimento – mais uma vez o sentimento -, já que não temos dados confiáveis como os mercados USA e UK, me leva a considerar link building como uma estratégia em SEO muito mais necessária no presente e no futuro do que no passado recente.

O Brasil atravessa um momento especial no mercado de SEO, tanto pelo crescimento do mercado quanto pelo perfil da própria mudança de certas características. Não só pela concorrência nos mercados, mas porque uma das facetas de link building está atravessando uma grande transformação em nível mundial, e o Brasil está praticamente em sintonia com o resto do mundo nesse quesito que chamarei (não sei se tem outro nome) de link building social.

Link building sempre foi encarado, em primeiro plano, como estratégias para conseguir mais valor na forma de PageRank ou outro nome que você queira, e, em segundo plano, trazer mais tráfego via links mesmo com nofollow. E o link building social é praticamente trazer mais tráfego para um site, mas de uma forma nova, pois o componente social tem um peso muito maior e com consequências diferentes, até porque mesmo sendo um link com nofollow, é um voto, uma indicação mais humana e, com isso, menos manipulável. Ao ponto de o Google considerar cada vez mais os chamados “sinais sociais” em seus algoritmos.

No inicío de 2011 eu estava conversando com um colega SEO sobre mulher, claro! Ops… sobre SEO, claro! E também sobre a enorme falta de conteúdo de qualidade em língua portuguesa. Mas sobre isso voltarei a falar daqui uns cinco anos…

É com base nesse cenário que convidei o Pablo Augusto a tocar o linkbuilding.com.br. Para isso, fizemos uma divisão de tarefas baseada em conhecimento e competências; claro que é uma divisão bastante justa: 1% para mim e 99% para ele! ;-)

Flávio Raimundo
Março de 2011

Compartilhe

  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no LinkedIN
  • Compartilhe no Orkut
  • Compartilhe no Digg
  • Compartilhe no Google
  • Compartilhe no Digg

Deixe seu comentário

Notifique-me de novos comentários via e-mail. Você também pode se inscrever sem comentar.

Comentários

  1. Grande Flávio! Parabéns pela iniciativa!

  2. Demorou a sair mas promete ser um projeto de sucesso! Parabéns pela iniciativa =)

  3. O que é que se pode dizer? Juntou o Pablão e o Raimundo, só pode sair coisa boa daqui!

  4. Parabéns pela iniciativa! desejo mto sucesso ao site, inédito na terrinha. Abs!

  5. Mais um canal de informação de qualidade, estarei sempre de olho aqui também, Parabéns !!!!

  6. Grande Projeto! Parabéns aos idealizadores e o sucesso ja e garantido! Abcs

  7. Parabéns a todos e sucesso com o novo projeto!

  8. Opsss.. Boa!! Parabéns e espero que o linkbuilding.com.br seja um sucesso!

    Obs: Poxa Comentários Nofollow, sacanagem né :(

    Valeu & Braço!!

  9. Leandro

    Flávio sobre o seu comentário, gostaria de deixar minha opinião em relação a SEO no Brasil:

    Linkbuilding não irá mais funcionar se feito por SEOS. Desculpe, mas SEOS nunca deveriam fazer linkbuilding. SEOS deveriam apenas otimizar páginas e cuidarem de questões técnicas. Link Building deveria partir de um plano de comunicação feito por publicitários e jornalistas. Links são pessoas e o marketing já sabia disto desde o defasado Kotler.
    Agências de SEO que fuçam diretórios em busca de links, que criam chamadas como “As 10 maneiras de fritar um ovo” e distribuem “badges”, estão com os dias contados. Em um mercado mais competitivo não vão sobreviver.

    Links são pessoas e nascem mais pessoas que diretórios web.
    Links são pessoas e nascem mais pessoas que “badges”
    Links são pessoas e nascem mais pessoas que comentários em fóruns.

    Acho uma cagada brutal deixar o pontapé inicial de linkbuilding na mão de SEOS.

    Publicitários, Jornalistas e Assessorias: embasados no planos de marketing da empresa deveriam cuidar disto. Afinal, produtos não existem para suprir necessidades e sim para criarem necessidades.

    Por este motivo que mesmo como mencionado num post do Cassiano sobre agregar valor comentando em blogs e colocando seu link, acho isso uma perda de tempo absurda, nenhum valor agregado, seria igual a procurar ouro em 2011 na serra pelada.

    Não entendo porque incitam o processo contrário?

    Mas respeito suas opniões.

  10. Parabéns Flávio,
    Grande contribuidor da internet brasileira.
    Parabéns também para Leando em seu comentário, concordo plenamente com ele.
    O grande problema é que em muitas empresas o departamento de Marketing e a assessoria de empresa, estão totalmente desconectados com as agências de SEO.
    O que falta é um projeto conjunto.

    Abraço a todos.